Já ouviu falar no Dedo em Martelo?

O Dedo em Martelo trata-se de uma deformidade nos dedos caracteriza pela dobra da ponta do dedo e incapacidade de movimentá-la para cima ou deixá-la reta. Essa lesão ocorre após a ruptura do tendão extensor ou após uma fratura na região onde o tendão extensor se liga ao osso.

O que pode causar essa deformidade?

O principal fator causador do dedo em martelo são as lesões traumáticas. Pancadas diretas no membro ao praticar algum esporte e acidentes podem acabar provocando a ruptura do tendão presente nessa região. Contudo os traumas mais leves também são responsáveis por causar essa deformidade, entre eles a torção no dedo durante atividades cotidianas como ao vestir uma calça ou colocar um sapato. Já em outros casos, os cortes na região dorsal do dedo provocam o dedo em martelo.

E quais são os sintomas?

Entre os sintomas do dedo em martelo estão a inabilidade de manter o dedo esticado sem a ajuda do outro dedo. O paciente também pode sofrer com dor, inchaço e alteração da coloração na junta do dedo, principalmente quando há fratura relacionado a enfermidade. Pode haver a presença de hematomas embaixo da unha e o desprendimento da unha da prega de pele situada em sua base.

Como diagnosticar?

Para diagnosticar o dedo em martelo o profissional irá fazer uma análise clínica observando o dedo do paciente. No entanto é necessário realizar uma radiografia do dedo para constatar se existe uma fratura ou apenas uma ruptura no tendão.

E como é o tratamento do dedo em martelo?

O tratamento dessa condição varia de acordo com o tipo de lesão causadora da deformidade. Se ela afeta somente o tendão extensor, é recomendado que o paciente fique com o dedo imobilizado por 10 semanas com uma tala metálica ou órtese. Isso faz com que o dedo se mantenha esticado, possibilitando que o tendão cicatrize corretamente.

Em casos de deformidade devido a fratura o tratamento pode ser feito por imobilização de 6 semanas ou por meio de cirurgia se a fratura for grave.
Durante o procedimento cirúrgico fios metálicos, chamados de fios de kirschner, são introduzidos no osso. Com o apoio da tala metálica, esses fios serão capazes de deixar os ossos na posição correta, permitindo uma melhor cicatrização.

Gostou do post de hoje? Se deseja saber mais sobre doenças ortopédicas que afetam o joelho leia minhas outras publicações.

Deixe um comentário